Exército de drones será utilizado por startup para reflorestar o planeta 1

Exército de drones será utilizado por startup para reflorestar o planeta

Principalmente por conta das mudanças climáticas, hoje muitas empresas já se preocupam cada vez mais com o meio ambiente. Esse é o caso da Now, uma startup conhecida por conectar pessoas que desejam combater as mudanças climáticas com possíveis soluções para o problema.

No geral, a startup não espera que os usuários plantem árvores ou coloquem em prática outras ações sustentáveis. A Now trabalha, na verdade, com um serviço por assinatura, com planos entre US$ 5 e US$ 25. Dessa forma, as pessoas podem contratar o plano que acharem mais viável, pagar mensalmente e contribuir assim com o meio ambiente. 

Isso porque, de acordo com Jessica Jones, cofundadora da startup, 90% do valor arrecadado será destinado a um projeto de plantio de árvores em áreas com bastante necessidade. Esse plantio será realizado com a ajuda de um exército de drones

Segundo um estudo feito pela Crowther Lab, uma iniciativa de ciência e pesquisa ecológica da Suíça, o plantio de três trilhões de árvores é capaz de capturar dois terços do carbono emitido pelos seres humanos desde a Revolução Industrial. Portanto, essa é a meta da Now: plantar três trilhões de árvores. 

Jessica afirma que a meta é realmente audaciosa, todavia considera que a tecnologia pode ajudar bastante o processo de reflorestamento. Para ela, colocar em prática esse objetivo com o plantio manual é algo obviamente impossível, ainda mais levando em consideração o tempo que levaria para isso precisa acontecer. 

No entanto, um exército de drones é capaz de plantar 20 bilhões de árvores por ano. Com isso, dentro de 50 anos a meta seria atingida

O primeiro passo da Now será utilizar os drones para mapear as topografias e reconhecer os terrenos, para que assim seja possível identificar as melhores regiões e automatizar ainda mais o processo. Feito isso, os drones irão disparar sementes, assim como nutrientes, diretamente no solo. 

A expectativa é que o projeto comece restaurando florestas de mangue em Madagascar e em Moçambique, com a ajuda de uma ONG conhecida como Eden Reforestation Projects, e chegue em 2020 a San Diego na Califórnia.   

Se tudo sair conforme o esperado, a startup pretende utilizar todos os recursos das assinaturas para reflorestar todo o planeta. Sendo assim, qualquer ajuda é muito bem-vinda.

Deixe um comentário