Os 5 estágios do crescimento de pequenas empresas 1

Os 5 estágios do crescimento de pequenas empresas

Categorizar os problemas e os padrões respo crescimento de pequenas empresas parece, à primeira vista, uma tarefa bastante complicada.

Isso porque as pequenas empresas variam muito em tamanho e em capacidade de crescimento. Elas são caracterizadas pela independência de ação, estruturas organizacionais diferentes e estilos de gerenciamento variados.

Entretanto, em um exame mais minucioso, torna-se evidente que elas experimentam problemas comuns que surgem em estágios similares durante seu desenvolvimento.

Esses pontos de semelhança podem ser organizados em uma estrutura que aumenta nossa compreensão da natureza, das características e dos problemas dessas empresas.

Sendo assim, vamos começar entendendo melhor como se dá o crescimento de empresas de pequeno porte.

Crescimento de pequenas empresas

Veja a seguir quais são os 5 estágios que ajudam no crescimento de pequenas empresas.

Estágio I: Existência

Nesta fase, os principais problemas do negócio são obter clientes e entregar o produto ou serviço contratado, para que a empresa exista de forma minimamente viável. Entre as principais questões estão as seguintes:

  • Podemos obter clientes suficientes, entregar nossos produtos e fornecer serviços de qualidade para se tornar um negócio viável?
  • Podemos nos expandir de um cliente-chave ou processo de produção piloto para uma base de vendas muito mais ampla?
  • Temos dinheiro suficiente para cobrir as demandas ​​dessa fase inicial?

A organização dessas pequenas empresas geralmente é bem simples: o proprietário faz tudo e supervisiona diretamente os subordinados. Sistemas e planejamento e gestão mais rebuscados, via de regra, são mínimos nessa fase.

A estratégia da empresa é simplesmente permanecer viva. O proprietário é o negócio, realiza todas as tarefas importantes e é o principal fornecedor de energia, direção e capital.

As empresas no Estágio de Existência vão desde restaurantes recém-iniciados e lojas de varejo, até fabricantes de alta tecnologia que ainda precisam estabilizar a produção ou a qualidade do produto. Muitas dessas empresas não chegam sequer a níveis mais avançados de maturidade, e infelizmente, quebram..

Nesses casos, os proprietários fecham o negócio quando o capital inicial acaba e, se tiverem sorte, vendem a empresa pelo valor do ativo. As organizações que permanecem vivas tornam-se empresas do Estágio II.

Estágio II: Sobrevivência

Ao atingir esse estágio, o negócio demonstrou que é uma empresa minimamente viável, ou seja, tem clientes suficientes e consegue os satisfazer com seus produtos ou serviços.

O problema chave, entretanto, muda da mera existência para a relação entre receitas e despesas. As principais questões são as seguintes:

  • No curto prazo, podemos gerar caixa suficiente para equilibrar e cobrir o reparo ou a substituição de nossos ativos de capital à medida que eles se desgastam?
  • Podemos, no mínimo, gerar fluxo de caixa suficiente para permanecer nos negócios e financiar o crescimento?

A organização ainda é simples. A empresa pode ter um número limitado de funcionários supervisionados por um gerente de vendas ou um supervisor geral. Nenhum deles toma decisões importantes de forma independente, mas, em vez disso, executa as ordens bem definidas do proprietário.

O objetivo principal ainda é a sobrevivência, e o proprietário ainda é sinônimo do negócio. No Estágio de Sobrevivência, o empreendimento pode crescer em tamanho e lucratividade e passar para o Estágio III.

Estágio III: Sucesso

O objetivo nesse estágio é explorar as conquistas da empresa e expandir ou manter o negócio estável e lucrativo, fornecendo também a possibilidade dos fundadores se ausentarem para realizar outras atividades, sem que a empresa pare de funcionar.

Por trás do desligamento pode haver um desejo de iniciar novas empresas, concorrer a cargos políticos ou simplesmente buscar hobbies e outros interesses externos.

No estágio III, com o tempo, a empresa atingirá a verdadeira saúde econômica e terá tamanho suficiente para garantir o sucesso econômico e obter lucros médios ou até mesmo acima da média. A empresa pode permanecer nesse estágio indefinidamente.

Organizacionalmente, o negócio cresceu o suficiente para, em muitos casos, exigir que gerentes assumam certas funções desempenhadas pelo proprietário. Os gerentes devem ser competentes.

À medida que o negócio amadurece, o proprietário se afasta cada vez mais – por conta da estrutura organizacional criada, capaz de andar com as próprias pernas, em certa medida, devido à presença de outros gerentes qualificados.

Muitas empresas continuam por longos períodos nesse estágio. Alguns nichos de mercado não permite o crescimento além dessa fase por problemas de escala.

Estágio IV: Decolagem

Nesse estágio, os principais problemas são como crescer rapidamente 10x mais e como financiar esse crescimento. As questões mais importantes estão nas seguintes áreas:

  • Delegação

O proprietário deve ou não delegar responsabilidades críticas a outras pessoas para melhorar a eficácia gerencial de uma empresa com objetivos de crescimento 10x maior e cada vez mais complexos?

  • Dinheiro

Haverá o suficiente para satisfazer as grandes demandas que um crescimento 10x maior traz (muitas vezes exigindo uma boa vontade por parte do proprietário de tolerar um alto índice de endividamento)?

Os sistemas de gestão e processos, sobrecarregados pelo crescimento, se tornam mais refinados.

Estágio V: Maturidade dos recursos

As maiores preocupações de uma empresa que entra nesse estágio são, primeiro, consolidar e controlar os ganhos financeiros trazidos pelo rápido crescimento e, segundo, manter as vantagens existentes em um pequeno negócio, incluindo a flexibilidade de resposta e o espírito empreendedor.

Uma empresa no Estágio V possui recursos humanos e financeiros para se envolver em planejamento operacional e estratégico detalhados.

A gestão é descentralizada, com pessoal adequado e experiente, e os sistemas de processos são bem desenvolvidos. O proprietário e o negócio são bastante separados, tanto financeira quanto operacionalmente.

Evitando futuros problemas

Os empresários que querem ver as suas empresas crescerem devem se perguntar:

  • Eu tenho a qualidade e a diversidade de pessoas necessárias para gerenciar uma empresa de sucesso?
  • Eu tenho agora, ou terei em breve, os sistemas de processos bem delineados para atender às necessidades de uma empresa maior e com muito mais volume de demanda?
  • Eu tenho a capacidade de delegar a tomada de decisão aos meus gerentes?
  • Eu tenho dinheiro suficiente ou poder de captação de recursos para buscar o crescimento?

Começar um negócio requer a capacidade de fazer algo muito bem (ou uma boa ideia comercializável), alta energia e uma previsão de fluxo de caixa favorável (ou uma grande soma de dinheiro disponível).

Além disso, no Estágio V, as habilidades de gerenciamento de pessoas qualificadas, bons sistemas de informação e processos e controles de orçamento também são extremamente importantes.

De qualquer forma, seguindo com cuidado todos esses estágios o crescimento de pequenas empresas pode se tornar algo muito mais fácil do que você imagina.

Deixe um comentário